Wednesday, 6 May 2015

Um mundo mais justo?

Em tempos de eleição no Reino Unido votos são ganhos dizendo que vão fazer a imigração parar. Ao mesmo tempo, um barco cheio de pessoas tentando ter um futuro melhor afunda, levando todas essas esperanças e vidas. Perfeita hora para nós nos perguntarmos que tipo de mundo queremos viver e ainda mais, o que nós queremos deixar para as próximas gerações. Eu mesma sendo um imigrante, sou incrívelmente grata pela oportunidade que tive e eu sei como tenho sorte. Eu amo este país que me deu oportunidades e uma vida que eu nunca poderia ter sonhado. Mas é realmente justo que oportunidades sejam concedidas apenas baseada no fato aleatório de onde nascemos? Eu não consigo pensar em nada mais desigual do que isto ... Este mundo não é realmente nosso, nós somos apenas passageiros aqui por um determinado período de tempo assim não é certo para proteger e guardar-lo desta maneira. Nós não deveríamos estar construindo muros mais altos, mas tendo a certeza de transformar este mundo como um todo em um lugar melhor para que todos tenham oportunidades iguais onde quer que decidam viver. Foi-se os tempos da conquista e proteger as terras a qualquer custo. Vamos usar essa conexão que é possível hoje em dia com toda a tecnologia que temos e somos muito orgulhosos e encarar o fato de que é um mundo diferente e que somos todos iguais  querendo a mesma coisa. Lutar por um futuro melhor para todos e não apenas as pessoas que nasceram dentro da nossa mesma divisão geográfica ....

Fair world?

In times of election in the UK votes are gained by saying they will make immigration stop. At the same time a boat full of people trying to have a better future sinks taking all those hopes and lives. Its time for us to ask what kind of world we want to live in and even more, what we want to leave for the next generations. Being an immigrant myself, I’m incredible grateful for the opportunity I had and I know how lucky I am. I love this country that gave me opportunities and a life I could have never dreamed of. But is it really fair for people to be granted opportunities just because of the random fact of where they were born? I can’t think of anything more unequal than this… This world is not truly ours, we are just passengers here for a set amount of time it’s not right to protect and guard it this way. We shouldn't be building higher walls but making sure we transform this world as whole in a better place so that we all have equal opportunities wherever place we decide to live. It’s gone the times of conquering and protecting lands at any cost. Lets take this connectedness that is possible nowadays with all the technology we have and we are so proud of and face the fact that it’s a different world and we are all the same wanting the same thing. Fight for a better future for everyone not just the people that where born within our same geographical division

Wednesday, 11 June 2014

Happy World Cup!

The world cup is coming! The England flags are all over houses and cars now…

And with it a lot of questions and doubts. I can’t tell how many times in the last few weeks I have been asked the same question when people find out I’m originally from Brazil

“Do you think is going to be ok?”

I honestly don’t know…

In a way it makes me sad that is the question in most people’s minds in such exciting time. It’s not because I come from the football country that I say the world cup is exciting. It was actually spending the world cup in Italy and here in England that it made me realise how incredible it is. People of all likes and backgrounds united interested in one subject. It makes us more open and willing to learn and know about other cultures, specially the host nation. 

And the country I grew up has so much interesting things to offer! People’s hearts are much bigger than the violence that has always shadowed the streets. But yet the only positive things that people know about Brazil are how hot it is and how wonderful the beaches are. Yes people here know all about the favelas, violence, prostitution, drugs, crime, gangs, the poor state of the education and health systems and how much people are unsatisfied with the government and corruption. And they all think Brazilians don’t want the world cup in Brazil and with it all the people that would come. 

So I feel I need to say something to defend where I’m originally from. Yes it’s a country I decided not to live my life because of all it’s problems but still there are so many wonderful things about it. Maybe the very best is its people, hard working, fun friendly! An example of resilience and creativity. Our very survival depends on it. It’s ironic that normally it’s in the poorest that you most easily find happiness and gratitude like nowhere else.

It’s a country of opposites, where you can find the most rare and exotic animals but if you kill one you go to jail for many more years than if you kill a person. Where beautiful cities like Brasilia are planned and built in the most inhospitable landscape, but builders still die in a regular basis as if it was part of their job. Where hard working poor people spend everyday of their lives making ends meet to support their families whilst the rich corrupt people, companies and politicians that are only worried about possessions and to cleverly get even richer.

The extreme also is in our nature and landscapes, from deserts to forests, beaches to swamps, hot and cold weathers (yes there are parts of Brazil that can get very cold!). It carries on in our history, according to it we were discovered just over 500 years ago but that doesn’t mean there were not people living here before, the indigenous peoples. But even with just “in the books” history we have been through a lot: fight for our freedom, slaughter, wars, revolution, slavery, exploitation, dictatorship, civil wars…

You will also find that Brazilians are very welcoming and highly adaptable. It’s the origin of who we are. There is not a pure blood Brazilian. We are made up of so many different nations and cultures, Indigenous, Europeans, Africans, Japanese, Chinese, Jews, other South Americans… If you research emigration of different people you will probably find that the biggest settlement outside their home countries are in Brazil.

But I guess we'll have been so beat up by life and difficulties that we have this characteristic of thinking everyone is better than we are. It makes me sad that its maybe what it will be shown to the world. But I know the beauty that exists in this beautiful vast country and it's people and I hope you will see it too. 

Happy World Cup!

Ps.: to the Brazilians I say what my mom used to say, dirty clothes we wash not in front of our guests… The problems will carry on after the world cup and will take a while to solve but this is the opportunity to show all the good we have to offer! That’s the only thing that can bring positive change and respect.

Feliz Copa do Mundo!


A Copa do Mundo está chegando! As bandeiras da Inglaterra já estão todas sobre as janelas e carros...

E com a Copa do Mundo muitas perguntas e dúvidas. Não posso contar quantas vezes nas últimas semanas tenho ouvido a mesma pergunta quando as pessoas descobrem que eu sou originalmente do Brasil

"Você acha que vai ser ok?"

Eu honestamente não sei ...

De certa forma me deixa triste que essa é a pergunta na mente da maioria das pessoas em um momento tão emocionante. Não é porque eu venho do país do futebol que eu digo que a copa do mundo é emocionante. Na verdade, foi passando a Copa do Mundo na Itália e aqui na Inglaterra que me fez perceber o quão incrível ela é. Pessoas de diferentes culturas e origens unidos interessados em um assunto. Isso nos faz mais abertos e dispostos a aprender e saber sobre outras culturas, especialmente a nação anfitriã.

E o país que eu cresci tem tantas coisas interessantes para oferecer! Os corações das pessoas são muito maiores do que a violência que sempre assombrou as ruas. Mas as únicas coisas positivas que as pessoas de fora sabem sobre o Brasil são quão quente é e quão maravilhosas as praias são. Sim, as pessoas aqui sabem tudo sobre as favelas, violência, prostituição, drogas, crime, gangues, o mau estado do sistema de saúde e educação e quanto as pessoas estão insatisfeitas com o governo e corrupção. E todos eles acham que os brasileiros não querem a copa do mundo no Brasil e com ele todas as pessoas que viriam.

Assim sinto que preciso dizer algo para defender, de onde eu sou originalmente. Sim, é um país que eu decidi não viver minha vida por causa de todos os problemas, mas ainda há tantas coisas maravilhosas sobre ele. Talvez o melhor é o seu povo, trabalhadores, amigáveis e divertidos! Um exemplo de superação e criatividade. A nossa sobrevivência depende disso. É irônico que, normalmente, é no mais pobre que você mais facilmente encontrar a felicidade e gratidão, como em nenhum outro lugar.

É um país de opostos, onde você pode encontrar os animais mais raros e exóticos, mas se você matar um podera ir para a cadeia por muitos mais anos do que se você matar uma pessoa. Onde belas cidades como Brasília são planejadas e construídas em uma das paisagens mais inóspitas, mas os construtores continuam a morrer regularmente, como se fosse parte de seu trabalho. Onde trabalhando duro pessoas pobres gastam todos os dias de suas vidas tentando pagar contas para sustentar suas famílias, enquanto os ricos corruptos, empresas e políticos estão apenas preocupados com posses e como conseguir de forma esperta ficar ainda mais ricos.

O extremo também está em nossa natureza e paisagens, desde desertos a florestas, praias a pântanos, climas quentes e frios (sim, existem partes do Brasil que podem fazer muito frio!). Continua em nossa história, segundo ela, fomos descobertos pouco mais de 500 anos atrás, mas isso não significa que não houvesse pessoas que viviam aqui antes, os povos indígenas. Mas, mesmo com história "nos livros" passamos por muita coisa: luta pela nossa liberdade, massacres, guerras, revolução, escravidão, exploração, ditadura, guerras civis ...

Você também vai descobrir que os brasileiros são muito acolhedores e altamente adaptáveis. É a origem do quem somos. Não há um sangue puro brasileiro. Somos compostos de tantas nações e culturas diferentes, indígenas, europeus, africanos, japoneses, chineses, judeus, outros sul-americanos ... Se você pesquisar a emigração de diferentes povos provavelmente vai descobrir que o maior povoado fora de seus países de origem estão no Brasil .

Os brasileiros são capazes de produzir uma das melhores e mais  enérgicas Copas do Mundo de todos os tempos. Nós somos o país do futebol!

Mas eu acho que nós fomos tão batidos pela vida e as dificuldades que temos essa característica de pensar que todo mundo é melhor do que nós. Dá tristeza que isso talvez  seja o que será mostrado para o mundo. Mas eu sei que a beleza que existe neste belo vasto país é a sua gente e espero que você também vera isso.

Feliz Copa do Mundo!

Ps:. Aos brasileiros eu digo o que minha mãe costumava dizer, roupas sujas, não se lavam na frente dos nossas visitas ... Os problemas vão continuar após a copa do mundo e vai demorar um pouco para resolver, mas esta é a oportunidade de mostrar tudo de bom que temos a oferecer! Essa é a única coisa que pode trazer mudanças positivas e respeito.

Monday, 19 May 2014

Unfair?

She always left home before her husband and her precious boys. She kissed each one of them on their foreheads and thought how difficult the last few days have been. It was just too much for her to see her sons suffering. She heard them crying the night before hiding away from her. And that hurt even more. She knew it was something at school, comments from other kids. It had already happened before. They didn't have friends, just because of where she was from. She couldn't change the fact that she was a foreigner and there was nothing she could do to solve her boys’ problems. It made her feel powerless and that was what upset her the most. It was just not fair…

She left home late for work. Stopped at a petrol station to fill up her car. An old lady was in front of her in the queue to pay. When the lady’s turn arrived she took a long time to pay for the 2 or 3 unimportant items she was purchasing. She was the one with bills to pay and late to get to work! She should be the one with priority, her job was more important. Why this woman needed to buy these things at rush hour? The old lady looked back apologising but she only nodded her head in disapproval making sure she showed her discontentment.

She finally arrived at work, walking fast through the corridor she saw one of her colleagues coming in the opposite direction still some distance away. She didn't like her much, always dressed in a strange way, had a funny hair and was always showing too much, it just wasn't decent. She looked down at some paperwork she was carrying with her at the exact moment the woman passed by just so that she didn't need to say hello.

Later she left for her lunch and decided to buy a sandwich at the local deli. She looked through the window and noticed it was the gay man that was working. She didn't mind gay people but he was just a bit too much, his behaviour, the way he speaks. She kept telling herself that it wasn't his sexual choice, she would feel the same way if he were straight, it was just his behaviour.

She walked back to the office when she saw a group of teenagers laughing and joking. They had darker skin, tattoos, hats and piercing. She didn't feel safe and decided to cross the street.

She sat down at her desk and the 20 years old manager came into the office to ask for some help. She got annoyed and treated her coldly thinking how they could hire someone so young and inexperienced to do such an important job.

She left work anxious to get home and spend time with her precious family. She walked pass a man sweeping the streets. He was on her way and that made her stop to wait for him. He haven’t seen her, he was just doing his job looking down. But she was impatient and thought he should pay more attention to the people trying to pass by, they had important things to do, places to get to.

She finally arrived home and found her two little boys crying and playing alone once more. They were bullied at school again. Her heart broke. It was just unfair! She felt powerless. Why me? Why my boys? What kind of society do we live in?

The one we create…

Unless we change the way we think and live our lives racism and prejudice will always be present. It’s much bigger than just actions or words against other people. It comes in all shapes and forms. It starts with how we think and see the world. Unless each one of us start to change it will be just transferred from generation to generation. We are all different and will always be. I choose to live in a world where we accept each other and our differences with love. Hope you also do…

Injusto?

Ela sempre saia de casa antes de seu marido e de seus preciosos meninos. Ela beijou cada um deles na testa e pensou quão difícil os últimos dias tinham sido. Era muito dificil para ela ver seus filhos sofrendo. Ela ouviu eles chorando a noite anterior se escondendo dela. E isso machucou ainda mais. Ela sabia que era algo na escola, comentários de outras crianças. Já tinha acontecido antes. Eles não têm amigos, só por causa de onde ela era. Ela não podia mudar o fato de que era uma estrangeira e não havia nada que pudesse fazer para resolver os problemas dos seus meninos. Isso a fez sentir-se impotente e isso era o que incomodava mais. Não era justo ...

Ela saí de casa atrasada para o trabalho. Parou em um posto de gasolina para completar o tanque. Uma senhora estava à sua frente na fila para pagar. Quando chegou a vez da senhora ela levou muito tempo para pagar os 2 ou 3 itens sem importância que ela estava comprando. Ela era quem tinha contas para pagar e atrasada para começar a trabalhar! Ela deveria ser quem tinha prioridade, seu trabalho era mais importante. Por que essa senhora precisava comprar estas coisas na hora do rush? A velha senhora olhou para trás pedindo desculpas, mas ela apenas balançou a cabeça em sinal de desaprovação tendo certeza que ela mostrou seu descontentamento.

Finalmente ela chegou ao trabalho, andando rápido pelo corredor, viu uma das colegas que vinha em sentido oposto ainda a alguma distância. Ela não gostava muito dela, sempre vestida de uma forma estranha, tinha um cabelo engraçado e estava sempre mostrando demais para ser direita. Ela olhou para alguns papéis que carregava com ela no exato momento em que a mulher passou apenas para que ela não precisasse dizer olá.

Mais tarde, ela foi para o seu almoço e decidiu comprar um sanduíche na lanchonete ali perto. Ela olhou pela janela e percebeu que era o homem gay que hoje estava trabalhando. Ela não se importava com pessoas gays, mas ele era um pouco demais, o seu comportamento, a maneira como ele fala. Ela continuou dizendo a si mesma que não era a opção sexual dele, ela se sentiria da mesma forma se fosse heterosexual, era apenas o seu comportamento.

Ela caminhou de volta para o escritório quando viu um grupo de adolescentes rindo e brincando. Eles tinham a pele mais escura, tatuagens, bonés e piercing. Ela não se sentiu segura e decidiu atravessar a rua.

Ela se sentou em sua mesa e a gerente de 20 anos de idade entrou no escritório para pedir ajuda. Ela ficou irritada e a tratou friamente pensando em como poderiam ter contratado alguém tão jovem e inexperiente para fazer um trabalho assim importante.

Ela saiu do trabalho ansiosa para chegar em casa e passar tempo com sua preciosa família. Passou por um homem varrendo as ruas, ele estava no seu caminho e isso a fez parar para esperar por ele. Ele não a viu, estava apenas fazendo o seu trabalho olhando para baixo. Mas ela estava impaciente e achou que ele deveria prestar mais atenção às pessoas que tentavam passar, elas tinham coisas importantes para fazer, lugares para chegar.

Ela finalmente chegou em casa e encontrou seus dois meninos chorando e brincando sozinhos mais uma vez. Eles foram intimidados na escola novamente. Seu coração se partiu. Era apenas injusto! Ela se sentia impotente. Por que eu? Por que os meus meninos? Que tipo de sociedade em que vivemos?

Aquela que criamos ...

Se não mudarmos a nossa forma de pensar e viver nossas vidas racismo e preconceito sempre estarão presentes. É muito maior do que apenas ações ou palavras contra outras pessoas. Vem em muitos tamanhos e formas. Começa na maneira como pensamos e vemos o mundo. A menos que cada um de nós comece a mudar, isso será apenas transferido de geração em geração. Somos todos diferentes e seremos sempre. Eu escolho viver em um mundo onde podemos aceitar uns aos outros e nossas diferenças com amor. Espero que você também ...

Sunday, 11 May 2014

Happy Mother’s day, everyday of your life!

My Mom?
I'm not going to say she is perfect since no one is. Yes, we had our arguments and fights over the years. Things I didn't understand, she didn't understand.
I'm not a mother so many may say I won’t comprehend. But just considering becoming a mother one day and giving up what my life is makes me think how selfless mother’s are. My mother dedicated all her life to have and raise my two brothers and I.
As all mothers she didn't study or train to be one, she just learnt along the way. And even if everything was not perfect it was just right to shape me into the person I'm today. And I'm grateful!
For all the sleepless nights, the fear of making mistakes, the departed dreams, the protection, the love.
And I can only imagine how much love it takes to insist to your daughter to move away from you, to another country laying in a hospital bed when needing her most. I decided not to go and stay with you but you’re braver than me and persisted so that I wouldn't give up my dreams and let the opportunity slip away.
Or the countless times life broke me up and you were there to pick up the pieces and make me stand again. You are always my safe harbour.
Thank you mother, that’s all I can say. It will never be enough but also know that I love you more than words can express.  
Happy Mother’s day, everyday of your life!